Tirinha #39 | Autógrafo

Na casca do ovo | Tirinha #39

Essa é minha singela homenagem aos 50 anos da publicação da primeira tirinha da Turma da Mônica. Maurício de Souza, ao lado de outros mestres como Schulz e Quino, é fonte de inspiração para os quadrinhos na casca do ovo!

TwitterFacebookOrkutGoogle ReaderShare

Tirinha #38 | Ser a moda?

Na casca do ovo | Tirinha #38

Diante de notícias irritantes como essa, só me resta aceitar a condição de tendência e tornar-me a própria Moda, com m maiúsculo e tudo. Ademais, é incrivelmente frustrante ser assimilado assim, sem nem me perguntarem o que eu acho disso tudo. Fico imaginando um bando de garotões de academia em porta de boate usando camisa polo listrada e óculos grande, de modo que todos estejam alinhados à tendência de parecer nerd. Com esses nerds fast food, o jeito é voltar para basqueteira e mini-blusa masculina.

TwitterFacebookOrkutGoogle ReaderShare

Tirinha #35 | Bom…

Na casca do ovo | Tirinha #35

Sinto-me obrigado a justificar a minha falta de assiduidade nessas últimas semanas: Obrigações relativas à minha pesquisa tem me tomado um tempo injusto do dia. De qualquer forma, farei o que me couber para publicar pelo menos 1 tirinha por semana até que as coisas se acalmem. Em meio a esse aperto, o lado de dentro das tirinhas estará sob outra coordenação :)

TwitterFacebookOrkutGoogle ReaderShare

Tirinha #33 | Protesto falho

Na casca do ovo | Tirinha #33

A grande verdade é que poucos são os cartunistas que fogem da prisão que é a fórmula “poucos quadros, piada no último quadro”. Eu, inclusive, me incluo nessa lista e acho que esse formato ainda está impregnado nas minhas tirinhas por um par de motivos: 1) os mestres que mais me influenciaram (Quino, Watterson, Schulz) eram fieis a essa fórmula; 2) se maturidade for necessária para tal, ainda não me considero maduro o suficiente nessa mídia para aventurar-me num processo de desconstrução muito evidente. Mas talvez o próprio fato de admitir isso me instigue o bastante para que em alguma das próximas tiras eu me afogue em ousadia. Ou não.

De qualquer forma, é bom ver que tem muita gente boa experimentando por aí, como é o caso do Heneh e da dupla Wulff & Morgenthaler.

TwitterFacebookOrkutGoogle ReaderShare